sábado, 30 de setembro de 2017

Estar ao lado do povo NÃO pode ser constrangedor


Por Cláudio Andrade.

Nos últimos dias a sociedade campista recebeu duas notícias que afetaram de forma direta a classe menos favorecida do município de Campos dos Goytacazes.

Trata-se do fim da passagem social, que volta ao patamar de R$ 2.75 e o parcelamento do pagamento dos RPAs, aqueles que trabalham mediante o Recibo de Pagamento Autônomo e não possuem vínculo nem mesmo estabilidade com o poder público.

Inicialmente gostaria de deixar claro que a minha posição é contrária as duas medidas. Primeiro que estar na base de apoio ao Prefeito Rafael Diniz não pode ser sinônimo de constrangimento, principalmente quando medidas administrativas são tomadas sem comunicação prévia aos vereadores (representantes do povo), como ocorreu nesses dois casos acima citados.

Segundo pelo fato de que a população mais carente precisa ter um alento e não consigo entender os motivos pelos quais às últimas medidas, não me refiro somente a da passagem e a do RPA terem um reflexo somente naqueles que não possuem estrutura para suportar ventanias.

Vale lembrar que a suspensão do cheque cidadão ocorreu mediante a promessa de que após três meses ele retornaria com outra roupagem.

O mantra do que foi deixado pelo governo passado em termos de irresponsabilidade administrativa deve ser lembrado sempre, mas a hora é de anexar a esse discurso algo que se pareça minimamente com a palavra ESPERANÇA e isso não está sendo feito.

A passagem social não deveria ter sido extinta sem antes haver uma minuciosa análise acerca do custo benefício que as empresas de ônibus ofertam após anos de parceria com a municipalidade.

O ato de mexer no bolso do trabalhador deve ser a última coisa a ser feita e quando necessário, que venha acompanhada de justificativas plausíveis e com alternativas que abrandem o sofrimento de quem tem que mudar a sua vida, de um dia para o outro, sem explicação.

No caso da passagem social, antes de qualquer medida impopular entendo que as concessões às empresas de ônibus (que não recebem pouco como afirmam) e uma análise da situação do transporte alternativo seria a melhor medida a ser tomada. Não se limpa uma sala deixando a cozinha suja.

Em relação ao parcelamento do pagamento dos trabalhadores em regime de RPA a situação é tão grave quanto. Milhares de pessoas, sem aviso prévio terão que alterar compromissos, mexer nos parcelamentos de suas dívidas, alterar seu ritmo de tratamento de saúde, dentre outras questões, pois em um ‘piscar de olhos’ o governo municipal resolveu parcelar o que já estava em atraso sem informar previamente os trabalhadores e nem aos vereadores, os representantes do povo.

Existe crise? Claro! Existe a necessidade do corte de gastos? Claro! Precisamos respeitar o teto da Lei de Responsabilidade Fiscal? Claro!

O problema é que a população carente não pode, de forma nenhuma, ser pega de surpresa com qualquer atitude governamental pelo simples fato de ser uma camada frágil e que não possui, na maioria deles, uma reserva econômica que os protejam nos dias de tempestades. No caso em questão, um tornado!

Já ficou nítida que a posição escolhida pelo governo é a do desgaste total e de uma única vez para trazer no momento certo, as ‘boas novas’. Estariam lendo Maquiavel?

Respeito à posição governamental, porém, algumas dessas medidas estão refletindo na mesa do trabalhador e está afetando, de forma direta, a sua mais importante necessidade, a de SOBREVIVÊNCIA.

Na qualidade de vereador e mesmo sendo um parlamentar que se encontra na Base do governo Rafael Diniz, noticio que a minha posição nesses dois casos explicitados aqui é contrária ao do governo municipal.

8 comentários:

Anônimo disse...

Vc votou contra? Tentou mostrar aos outros colegas de bancada que isso estava errado,para com o POVO?
SUBIU NA TRIBUNA PARA DEFENDER O POVO E USOU ESTES ARGUMENTOS?????

Anônimo disse...

Parabéns Vereador Cláudio Andrade, até que enfim vc acordou para ficar ao lado do povo. Olha que eu sou contra o Governo Garotista mas infelizmente neste momento estou sentindo falta, eu e toda a população de Campos

Anônimo disse...

Sr. Cláudio,boa noite!!!!
Mais uma vez o Senhor tem me chamado a atenção através de sua postura em se posicionar com opiniões pertinentes,coerentes e pontuais sobre às situações que estão ocorrendo em nosso Município o qual o único prejudicado é o povo.
No Blog do Fernando fiz os dois primeiros comentários quando do tema sobre a informação oficial do aumento da passagem.
Fiz questão de ressaltar a sua postura em esclarecer a população sobre boatos ,mentiras desse fato.
Fiz também questão de chamar a atenção do Gestor sobre sua coragem em defender o Governo.
Todavia,falta por parte desse Governo respeito à sua pessoa que ousou em apagar a fumaça que ameaçava pegar fogo.
Registro portanto , que não votei no Senhor,mas é digno do meu respeito e quem sabe uma futura eleitora conquistada pelo seu caráter.
Parabéns Vereador!!!
Coragem e sabedoria!!!!

Anônimo disse...

Você nos disse em postagem dia 25/09 que NÃO haveria aumento da passagem nem o fim do programa social respectivo.Que tudo era"boato irresponsável"...Quem mentiu?
Você ou os secretários que você consultou(conforme sua postagem)?

Anônimo disse...

Vereador sai fora deste prefeito.ta difícil defender este governo .

Anônimo disse...

Vereador o senhor já mostrou para ganha eleição na precisa de prefeito não passado o senhor mostrado as coisas erradas ganhou a eleição .mostras as coisas erradas deste governo tá difícil defender está pouca vergonha na nossa cidade.

Anônimo disse...

Vereador ja estava até pensando no Senhor como um bom nome para deputado Estadual, Federal ou ate futuro prefeito de Campos, mas nao posso concordar com td oque esta acontecendo,o povo esta sofrendo, infelizmente, vou ter que mudar meu voto!!!

Moêma Valle disse...

Muito válido o seu posicionamento, vereador. Votei no atual prefeito, mas confesso que estou decepcionada com essa administração.