segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

A lenda urbana dos oftalmos do HGG



Por Cláudio Andrade.

Tenho certeza que quase todos os vereadores de Campos dos Goytacazes possuem dificuldades para ajudar pessoas com problemas em seus olhos.

São pacientes de catarata, retinose, glaucoma, dentre outras doenças que precisam de atendimento rápido nos hospitais públicos, pois são todos carentes e necessitados.

No HGG, por exemplo, existem aproximadamente de onze a doze médicos oftalmologistas lotados e disponíveis para atender, de forma gratuita, à sociedade, notadamente, a mais pobre de nosso município.

Porém, por incrível que pareça, praticamente ninguém consegue ser atendido no HGG, pois, segundo informações, há um estranho fenômeno em que as pessoas necessitadas dos outros municípios conseguem agendamento, enquanto as daqui quase nunca.

Entendo que a direção do HGG precisa rever isso o quanto antes e descobrir onde está o gargalo que faz com que os pacientes de fora (não menos importantes e carentes) sejam atendidos e os daqui amarguem meses e até anos para conseguirem atendimento.

A dificuldade que a maioria dos vereadores enfrenta deve ser a mesma daqueles que se dirigem aos hospitais, ficam horas ou dias na fila e quando chegam para receberem a ficha da consulta recebem um decepcionante e vergonhoso NÃO.

Essa situação precisa ser revista o quanto antes, pois é inadmissível termos essa quantidade enorme de médicos oftalmos no HGG e não conseguirmos zerar ou equilibrar o atendimento aos necessitados.

Existem pessoas há mais de um ano tentando uma simples consulta inicial de atendimento para um simples direcionamento de qual tratamento e medicação deve tomar. Como não são atendidas, ficam com a doença se alastrando e às vezes perdem um olho por não conseguirem ser examinadas por um profissional da área.

No meu gabinete, na Câmara de vereadores, recebo a toda hora, pessoas solicitando ajuda para esse fim específico e consulta. E é voz corrente, dentro do setor público de saúde, que esse serviço está inoperante, mesmo havendo médicos à disposição.

Pergunto: qual mistério ronda o HGG?

Com essa quantidade de médicos e com a reclamação geral da inexistência do atendimento precisamos descobrir, o quanto antes, qual o 'nódulo ou nódulos' que cria esse muro entre o paciente e o médico e isso requer imediatismo do governo sob pena de não contemplarmos muitos pacientes a tempo de serem salvos.

4 comentários:

Silvana francisca fiuza disse...

Boa tarde! Eu tenho cunhado necessitando cirurgia catarata. Ele vai la Hgg. Dizem que nao tem medico, ou pelo menos marcaçao consulta.

Silvana francisca fiuza disse...

Boa tarde! Eu tenho cunhado necessitando cirurgia catarata. Ele vai la Hgg. Dizem que nao tem medico, ou pelo menos marcaçao consulta.

jeferson luis viana martins disse...

Meu filho tem alergia alimentar e tive que recorrer a justiça mês passado para garantir o direito q meu filho tem a alimentação.
Esse mês de janeiro, quando meu filho foi consultado, a nutricionista receitou 15 latas por mês.
Quando fui a farmácia, só recebi 1 lata
Sendo q uma lata só dá para 2 dias, ou seja, tenho q ir a cada 2 dias como se não tivesse nada para fazer, como trabalhar e pagar altos impostos dessa cidade q não respeita seu cidadão.

Anônimo disse...

O que mais chama a atenção foi hoje, dia 31/1/18, dispensarem os pacientes que aguardavam exames na oftalmologia, sendo que a médica estava presente, querendo atende-los, mas por ordem do coordenador, Sr Basílio, foram mandados voltar apenas em Março para nova data. Tinham pacientes que já tinham colocado colírio, para dilatar, idosos, que foram mandados embora!!! Garanto que isso foi verdades, pois sou funcionária do hospital e presenciei tudo. Pena que com a atual política, não posso me identificar pelo medo de perseguições!